Noticias

Notícias > 2022 > Secretário adjunto de Fazenda preside painel de seminário sobre contencioso tributário, em Brasília

Secretário adjunto de Fazenda preside painel de seminário sobre contencioso tributário, em Brasília

Evento foi organizado pelo BID, em parceria com a Receita Federal do Brasil

4/28/22 3:50:00 PM

Luiz Claudio Gomes presidiu o painel sobre a arquitetura institucional do contencioso fiscal brasileiro

Um estudo inédito sobre o contencioso fiscal brasileiro, envolvendo os três níveis de governo (federal, estadual e municipal), foi objeto de um seminário realizado nessa quarta-feira (27/4), em Brasília, reunindo técnicos, acadêmicos e diversas autoridades governamentais que discutiram as causas do excesso de litígios tributários no país e as propostas para a redução desse problema. O "Seminário de Diagnóstico do Contencioso Tributário Administrativo" foi promovido, em parceria, pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB).

O secretário adjunto de Fazenda de Minas Gerais, Luiz Claudio Gomes, presidiu o segundo painel do evento, intitulado "O processo administrativo tributário - arquitetura institucional do contencioso fiscal brasileiro – perfil do julgador tributário".

Na mesa, foi colocado em discussão, dentre outros aspectos, se as estruturas existentes no Brasil contribuem ou não para a redução da litigiosidade fiscal; a capacidade e o desempenho dos julgadores; e a cadeia de processos desde a formação das normas, passando pela fase administrativa até se chegar ao litígio. Também foi bastante destacada a necessidade de harmonização e padronização normativa entre os entes da federação, com a participação dos contribuintes, para aumentar a segurança tributária e reduzir os litígios.

Luiz Claudio Gomes lembrou que o conjunto dos estoques de processos na área tributária é da ordem de 75% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, um volume sem paralelo no mundo, e ressaltou que isso é um grave problema.

"Dentro da régua de arrecadação tributária – que começa na normatização até o final da parte administrativa e depois judicial – temos um espaço enorme para aperfeiçoamento visando à redução do litígio, como a harmonização e a padronização de procedimentos; na normatização, em algumas etapas tipicamente do contencioso administrativo; na parte operacional, antes da lavratura do auto de infração; na transação com os contribuintes e a autorregularização", afirmou Luiz Claudio.

O secretário adjunto citou o exemplo de Minas Gerais, onde, em 2021, pelo primeiro ano, registrou-se menos autos de infrações e mais processos de autorregularização por parte dos contribuintes.

"Isso traduz o que foi trazido aqui para a mesa, que é a aproximação do Fisco com o contribuinte em todas as etapas, na elaboração das normas e na transparência. A transparência é que vai gerar confiança em todo o processo", concluiu.

Sobre o diagnóstico
O Diagnóstico do Contencioso Tributário Administrativo (DCTAdministrativo) foi elaborado pela Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ), no segundo semestre de 2021, incorporando reflexões complementares e recomendações técnicas. O estudo foi solicitado pela Receita Federal do Brasil ao BID, com a finalidade de melhor compreender as causas da excessiva litigiosidade tributária existente no país e vislumbrar alternativas para a sua superação.

O documento pode ser acessado no link: Diagnóstico do Contencioso Tributário Administrativo.

Para assistir ao seminário, clique aqui.